Feira Internacional de Maputo

FONTE: Lusa

2016-08-30 00:00:38

Brasil participa na Feira Internacional de Maputo com missão de 14 empresas

Bandeira do Brasil

Brasil participa na Feira Internacional de Maputo com missão de 14 empresas
O Brasil participa na 52ª Feira Internacional de Maputo (Facim) através de uma missão composta por 14 empresas e instituições de vários sectores, indica uma nota da embaixada brasileira em Maputo enviada à Lusa.

Segundo o comunicado, a presença brasileira na Facim, o principal certame do género em Moçambique, é organizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil) e pela Embaixada do Brasil em Maputo e será uma ocasião para a dinamização de parcerias, projectos e negócios nas áreas de máquinas e equipamentos, alimentação e bebidas, habitação e construção, medicamentos, eletrodomésticos, madeira e móveis, indústria química e capacitação, bem com formação de mão-de-obra.

"A parceria do Brasil com Moçambique produz ganhos recíprocos, reforçada por laços históricos e culturais, além da língua comum. A contribuição brasileira para o desenvolvimento de Moçambique tem-se dado por meio de investimentos em áreas como a mineração, os transportes, a construção civil e a agricultura", afirma a nota de imprensa.

Nos últimos anos, Moçambique, prossegue o comunicado, tem-se posicionado como um dos principais parceiros do Brasil, no âmbito da cooperação sul-sul, recebendo cerca de nove mil milhões de dólares de investimento de empresas do país sul-americano (mais de oito mil milhões de euros).

A 52.ª edição da Feira Internacional de Maputo (Facim) abriu ontem portas com o pavilhão de Portugal a ser o maior, mas o evento tem menos inscrições comparativamente aos últimos anos, marcados pela incerteza no país africano.

Facim, Feira Agropecuária, Comercial e Industrial de MoçambiqueOs números apontam para uma descida acentuada no investimento, que no caso de Portugal atinge uma redução de 80% no primeiro semestre face ao período homólogo no ano passado e uma queda das exportações de 33% nos primeiros seis meses de 2016.

Apesar dos números, Portugal voltará a ter o maior pavilhão da feira, segundo João Macaringue, presidente do Instituto para a Promoção das Exportações de Moçambique (Ipex), entidade organizadora do evento, mas dados da listagem de inscrições a que a Lusa teve acesso indicam uma redução do número de empresas.

Nesta edição da Facim, que terá a presença do ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, e do presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Miguel Frasquilho, são esperadas 31 empresas portuguesas, a que se somam duas associações, abaixo das 42 firmas representadas em 2015 e das 50 em 2014.
Além do Pavilhão de Portugal, dezenas de empresas de capitais portugueses participam em outros espaços de exibição na Facim.

Segundo João Macaringue, 33 países estrangeiros já confirmaram a sua presença na Facim, a maioria oriunda dos países da União Europeia, contra 31 no ano passado.

No total, 630 empresas estrangeiras vão participar no evento contra 680 em 2015, acrescentou o presidente do Ipex.

SAPO Commentários

NOTÍCIAS RELACIONADAS

FACEBOOK

BANCA DE JORNAIS